Isso Foi, É e Será | This Was, Is and Will Be
2017 

jp_passagem#5_final_bx.jpg
passagem#2_final_bx.jpg
passagem#3_final_bx.jpg
passagem#4_final_bx.jpg
passagem#1_final_bx.jpg

Jp Accacio | obras da série "Isso Foi, É e Será", 2017

Impressão fotográfica, 66 X 100 cm (dimensões sugeridas)

Jp Accacio | works from "This Was, Is and Will Be" series, 2017

Photographic print, 66 X 100 cm (suggested dimensions)

//

Isso Foi, É e Será é uma série de fotografias de lugares privados, registrados durante um período de tempo que pode variar de al- gumas horas a dois ou três dias. Os trabalhos finais são imagens formadas por inúmeros fragmentos de fotografias da mesma cena, realizadas em momentos distintos, numa experiência de exploração e expansão de possibilidades temporais e visuais dentro da narrativa fotográfica.

O conceito do trabalho veio da ideia de apresentar, através de uma linguagem tida como estática e congelada, uma temporalidade singular, numa espécie de exploração arqueológica visual e da memória de locais comuns onde residimos e passamos boa parte de nossas vidas.

Móveis, pisos, azulejos, paredes e carpetes abrigam o tempo largo e extenso, das marcas, manchas, acúmulos e imperfeições. O tempo que envelhece as coisas e onde nós envelhecemos. O movimento das luzes, sombras, portas, janelas e objetos denotam o tempo diário, aquele que passa a cada minuto diante de nós e que é indício de nossa presença e vivência.

O tempo da vida e o tempo do viver. Em ambos os casos, muitas vezes não os percebemos; mas basta saber enxergar.

//

This Was, Is, and Will Be is a series of photographs of private places, taken over a period of time that varies from hours to two or three days. The final works are formed by countless fragments of photos of the same scene, taken at different moments. The results are views of familiar places and situations that also provoke a sense of disorientation and produce an effect of doubt and illusion, in an experience of exploration and expansion of temporal and visual possibilities, within the photographic narrative.

The concept of this work came from the idea of presenting, through a language taken to be static and frozen, a singular temporality, in a sort of archaeological exploration – visual and mnemonic - of commom places where we live and spend most of our lives.

Furniture, flooring, tiles, walls and carpets shelter long and extensive time, with its marks, stains, accumulations and imperfections. The time that ages things and in which we age. The movement of lights, shadows, doors, windows and objects denote daily time, the one that passes every minute in front of us, and which is a sign of our presence and existence.

The time of life and the time of living. In both cases, we often don’t perceive them; but one can learn how to see.