Things Take Time
2019

Jp Accacio | Things Take Time, 2019

Televisor de tubo de dimensões variáveis exibindo em looping vídeo 640 x 480p com 1’00” de duração.

Jp Accacio | Things Take Time, 2019

Tube TV set with variable dimensions playing a 640 x 480p video with 1’00” on loop.

IMG_6475.jpg
IMG_6478.jpg
IMG_6485.jpg

//

Things Take Time é um monitor de televisão de tubo que emula um relógio de ponteiros. A cada minuto completado surge na tela

uma mensagem escrita que dura um segundo. No tempo restante somente o áudio é transmitido pelo aparelho. Este trabalho aborda diversas reflexões sobre o tempo cronológico e o tempo das coisas.

De início há a constatação de como uma medida estabelecida como regra (um minuto) pode ser experienciada de maneiras muito distintas a depender do receptor, do ambiente e da maneira como o trabalho é observado.

Quanto tempo dura um minuto? Qual o nível de deformidade deste tempo estabelecido há séculos atrás em relação ao tempo que experienciamos no mundo contemporâneo, onde o advento das novas tecnologias transforma e desconfigura cada vez mais essa medida ancestral?

O tempo das coisas se apresenta aqui na forma de um aparelho em desuso (um televisor de tubo) que se faz passar por outro dis- positivo também quase raro (um relógio de ponteiros), num cruzamento que resulta em um objeto tecnológico não categorizado, que se apresenta como um novo e possível híbrido, porém já nascido obsoleto.

A proposta de montagem da instalação contempla o televisor posicionado sobre uma base que emula uma coluna grega, promovendo um ambiente com um certo ar kitsch e decadente onde essas peças de épocas tão distintas parecem compelidas a conviverem juntas. É sugerida a colocação de uma cadeira ou poltrona para que o público possa apreciar a obra e literalmente “sentar para ver o tempo passar”.

//

Things Take Time is a tube TV set that emulates an analog clock. Every minute completed, a written message that lasts one second

appears on the screen. In the remaining time, only the audio is transmitted by the device. This work addresses several reflections on chronological time and the time of things.

At first, there is the understanding that a measurement imposed as a rule (one minute) can be experienced in very different ways depending on the recipient, the environment and the way the work is observed.

How long does a minute last? What is the level of deformity of this time stablished centuries ago in relation to the time we experience in the contemporary world, where the arrival of new technologies increasingly transforms and distorts this ancestral measurement?

The time of things is presented here in the shape of a disused device (a tube TV set) that pretends to be another almost rare equipment (an analog clock), in a fusion resulting in an uncategorized technological object, which presents itself as a new and possible hybrid, but already obsolete.

The assembling proposal for the installation contemplates the tube TV set positioned on a base that emulates a Greek column, presenting an environment with kind of a corny and outdated mood where these pieces from such different times seem compelled to live together. It is suggested to place a chair or an armchair so that the public can enjoy the work and literally “sit down watching time go by”.